Anos 1920: Tudo sobre o figurino da novela Gabriela

jun 15, 2012 No Comments by

Gabriela começa no próximo dia 18/06, segunda-feira, como uma homenagem da Globo ao ano de centenário do autor Jorge Amado – que por sinal, será o tema do Globo Repórter de hoje à noite (15/06).  A novela inspirada em um dos maiores clássicos do escritor – Gabriela, Cravo e Canela, se passa na Bahia dos anos 1920, época em que Ilhéus vive o apogeu do cacau. Mesmo que a protagonista Gabriela não siga as tendências da época, a maior parte dos personagens traz o estilo dos anos 1920 – época que marcou uma mudança significativa nas artes, na moda, no comportamento, resultado principalmente do fim traumático da 1ª Guerra Mundial.

A gente selecionou para vocês, algumas das principais características dos anos loucos, como ficaram conhecidos os anos da década de 20. Veja, desde Maria Machadão (Ivete Sangal0) que ganhou nossa capa pelas referências em Coco Chanel, até Malvina (Vanessa Giácomo) a representante mais fiel da moda anos 20 na trama.

Gabriela usa flor no cabelo, vestidos com estampas criadas para ela, pele curtida, sobrancelhas mais largas. Não segue tendência: é livre e tem uma pegada sexy natural.

 

Malvina adora moda. Usa cabelos curtinhos, cintura rebaixada e o Art Déco surge forte nas cores fortes e contrastantes e nas linhas geométricas em seu figurino.

E as referências para o figurino da novela não poderiam ser mais atuais. Os anos 20 estão influenciando a moda com força total. Pense em peças franjadas, cinturas rebaixadas, cabelos curtinhos e influência Art Déco. A década de 20 vem sendo revisitada por designers e estilistas nesta temporada e também na próxima.

O desfile de Patrícia Motta, no Minas Trend Preview de Verão 2013 teve inspiração nos anos 20. Franjas, silhueta tubular, geometrismo revistos.

Os anos loucos ontem e hoje.

Contextualizando: Panorama mundial e no Brasil na época

Para contextualizar melhor os “anos loucos” permitiam liberdades e ousadias antes impossíveis. Com o fim 1ª Guerra Mundial, o mundo celebra a vida. É o começo da liberação feminina, do fim dos espartilhos. O estilo à la garçonne (com cabelos curtíssimos) ganha adeptas. A silhueta é tubular, com cintura rebaixada, sem marcar quadris ou seios. Os vestidos são fluidos, usados com meias-calças beges e chapéu clochê.
É a era do jazz, do foxtrote e do Charleston. É o auge do cinema mudo e do estilo Art Déco, com suas formas retas e geométricas, nas artes, na arquitetura.

Por aqui, a semana de 22 marcava definitivamente a cultura brasileira.

Mais da década de 1920 na novela no ar em Vale a pena ver de novo.

Gabriela se passa em 1925 em Ilhéus. A pequena cidade foi levantada a ferro e fogo pelos coronéis que residem e mandam por lá, liderados por Ramiro Bastos (Antonio Fagundes), o representante do conservadorismo. Essa hegemonia é ameaçada pela chegada do exportador carioca Mundinho Falcão (Mateus Solano).

GABRIELA (JULIANA PAES)

Nessa cidade partida entre a moral conservadora e os novos tempos mais liberais, entre as quengas do Bataclã e a política, todos param ao ver Gabriela (Juliana Paes) – uma retirante da seca, que chega a Ilhéus a procura de emprego.

Gabriela é atemporal. Usa cabelos longos, vestidinhos de algodão e tem a pele dourada pelo sol.

Gabriela não segue tendência, é atemporal. “Os cortes dos vestidinhos são simples, assim como os tecidos, quase sempre em algodão, com estampas feitas para ela. Sempre com uma sensualidade casual. Deixando cair uma alça, uma renda aparecendo, um botão aberto”, conta Labibe. A caracterização segue a mesma linha: “Ela é linda, é da terra, é moleca, mas é um mulherão”, define Juliana Mendonça. “Gabriela é muito natural, não usa batom, sombra nem rímel e os cachos nos cabelos longos  não seguem a moda. A sobrancelha é mais grossa e a pele curtida de sol”.

Gabriela não usa batom, blush ou rímel. A pele é curtida pelo sol e a sobrancelha mais grossa. Enquanto as mulheres têm a pele alva, muito clara, Gabriela se destaca.

MALVINA (VANESSA GIÁCOMO)

Malvina é moderna. Representa bem a moda da época

Malvina (Vanessa Giácomo), uma menina antenada, mesmo em Ilhéus, conseguia estar a par de tudo que era lançado pelo mundo afora: “Ela é moderna. Representa o Art Déco em suas formas retas e geométricas. As cores são contrastantes. Muito preto com amarelo, azulão e vermelho. Ela usa cintinhos e sapatos boneca, mas sempre com um viés exclusivo”, ilustra Labibe Simão, figurinista de ‘Gabriela’.

Malvina usa cores contrastantes e tem visual inspirado em Louise Brook -atriz do cinema mudo.

Para compor Malvina, Juliana Mendonça, supervisora de caracterização, usou como referência Louise Brooks, a atriz do cinema mudo que viveu a frente do seu tempo e imortalizou o corte de cabelo a “la garçonne”: “Ela é colegial, vai ter o rosto rosado, saudável. Batom claro e nem esmalte usa. Mas ela não é igual às outras, quer outro caminho, seguir estudando, quiçá trabalhar. É feminista. E por isso escolhemos esse corte bem curto, estilo “Louise Brooks”.

CHAPÉUS

Sinhazinha Mendonça (Maitê Proença)

Os chapéus são um show à parte. Todas as mulheres, com exceção de Gabriela (Juliana Paes), usam chapéus. O acessório, na década de 20, começou a ser usado somente pela manhã. E o tipo mais cobiçado era o clochê, enterrado até os olhos. E são eles que estão nas cabeças das moças modernas e até das sinhazinhas mais conservadoras de Ilhéus. Todas se enfeitam com um chapéu.

No filme A Troca, Angelina Jolie usava o modelo mais cobiçado na época. o clochê.

Fascinator, o adorno da cabeça que voltou com tudo com a família real inglesa, era sucesso na época.

 

O Bataclã

No bordel da cidade a moda chega a Ilhéus. Estrangeiros e coronéis abastados levam presentes e as garotas que trabalham por lá investem na beleza. “Há muita transparência, sensualidade e quebra dos padrões. Lá é onde os anos loucos estão mais vivos que nunca”, comenta Labibe.

MARIA MACHADÃO (IVETE SANGALO)

Maria Machadão (Ivete Sangalo) é a toda poderosa do pedaço. A inspiração é no japonismo nas mangas longas e largas que remetem ao poder. Labibe diz que ela também tem um pouco de Coco Chanel em todos os momentos. Machadão usa brincos e colares grandes e pesados. Os cabelos são curtinhos também inspirados em Chanel.

Japonismo e Coco Chanel são referências para figurino de Maria Machadão.

Esmaltes e batons em tons vermelhos, olhos esfumados, os beauty spots (pintinhas desenhadas com lápis), cílios postiços, unhas postiças, perucas, apliques e cabelos armados e curtos fazem a beleza das moças do Bataclã.

Risoleta (Leona Cavalli)

Teodora (Emanuelle Araújo)

Natasha (Nathália Rodrigues)

Mara (Suyane Moreira)

GLORIA (SUZANA PIRES)

Na trama, Glória é a “teúda e manteúda” do Coronel Coriolano (Ary Fontora). A principal marca da personagem é passar seus dias debruçada sobre a janela de casa observando e registrando a rotina de todos que por ali passam. Glória não segue a tendência da época. Usa cabelos longos e vestidos mais ajustados. O destaque fica por conta das unhas vermelhas, com toque diferenciado do esmalte pintado formando uma meia-lua próxima à cutícula.

Unhas super atuais com esmalte vermelho em meia-lua.

ANABELA E PRÍNCIPE SANDRA

O casal chegará a Ilhéus atraindo olhares. Juntos, eles darão um golpe na trama.

O casal chega a Ilhéus trazido por Mundinho Falcão (Mateus Solano). Ambos artistas, vindos do Rio de Janeiro.

Bruna Linzmeyer vive a antenada Anabela

Anabela (Bruna Linzmeyer) é uma moça moderna, mistura cores inusitadas e vai usar várias perucas. Nenhum dos dois vai passar despercebido. Príncipe Sandra (Emílo Orciollo Netto) tem barba pontiaguda e bigode levemente virado para cima. É enigmático e atualizado. Sempre tem um charme a mais no figurino, como uma pena de pavão no lugar de uma flor no paletó.

Vale citar que a reprise de Chocolote com Pimenta, outra novela da Globo, também retrata é época de 20. Confere só a foto de Mariana Ximenes em cena na trama: cabelos curtíssimos, ondulados armados e fascinator.

Gabriela é escrita por Walcyr Carrasco, com direção de núcleo de Roberto Talma e direção geral de Mauro Mendonça Filho, tem figurino de Labibe Simão e caracterização de Juliana Mendonça.

Gabriela, Looks Gabriela

About the author

Jornalista, apaixonada por moda, novela e televisão, com mais de quinze anos de experiência no jornalismo de moda.
No Responses to “Anos 1920: Tudo sobre o figurino da novela Gabriela”

Leave a Reply