Lado a Lado: Peças envelhecidas convivem com as rendas, chapéus e figurino exuberante da aristrocracia

set 09, 2012 No Comments by

A nova novela das seis que inicia hoje, 10 de setembro, retrata  o início do século XX  no Rio de Janeiro. A cidade respira as influências vindas da Europa – época de transformações embaladas pelo charme da Belle Époque com as grandes confeitarias, os cafés e o nascimento de uma nova era de modernidade – em que as mulheres começam a lutar por liberdade individual e, os afrodescendentes, a criar o samba e, em torno dele, toda uma nova cultura. É a época pós-libertação dos escravos. De um lado, o luxo, o poder, a exuberância e a riqueza dos grandes casarões aristocráticos. De outro, um mundo à parte: o nascimento da primeira favela no Rio de Janeiro e a luta pela dignidade.  De mundos totalmente diferentes, Isabel (Camila Pitanga) e Laura (Marjorie Estiano) caminham na mesma direção, buscam o mesmo objetivo: liberdade e amor. Destas duas histórias que se encontram no dia do casamento, vem a trama central da novela.  Destes dois núcleos – descendentes de escravos e aristocracia, surgem figurinos bem diversos que identificam as personagens.

Isabel (Camila Pitanga) e Laura (Marjorie Estiano)

Para recriar o Rio de Janeiro do início do século XX, Beth Filipecki e sua equipe montaram um acervo com cerca de 900 peças. Cores, formas, texturas e volumes distinguem as classes sociais. “Figurino de época é muito elaborado. Mas é uma grande oportunidade para mostrarmos a técnica,o sentimento, a qualificação de nosso trabalho” diz Beth.

Para os ricos, o que era moda na França e na Inglaterra, também fazia sucesso entre o povo por aqui. O Brasil estava no momento de seguir os moldes importados. Para as mulheres, um fino acabamento, acessórios, cores leves e muitas flores em organza e seda. Para deixar a roupa luxuosa, usava-se muito linho e tecidos finos.

Já os homens, mesmo com o forte calor do Rio, optavam por  tendências vindas da Inglaterra, como ternos em lã. “Era preciso estar bem vestido para se fazer bons negócios. E homens que usavam chapéus eram sinônimos de homens que pensavam, que tinham poder”, explica Filipeck.

Casacas para os homens do início do século XX em eventos sociais

O figurino feminino das altas classes era composto por diversas camadas de roupas, fazendo com que a mulher mudasse sua postura, ficasse com o corpo mais firme. Para adotar  esse visual chique, elas usavam luvas, chapéus com muitas ornamentações, sombrinhas e, nos pés, calçavam botinhas. As mais pobres ambicionavam ser como as mais abastadas e copiavam suas roupas, mas com uma costura mais simples.

Isabel (Camila Pitanga)

Constância, personagem de Patrícia Pillar, é o exemplo de um figurino mais sofisticado, mais elegante e com mais leveza. Os vestidos foram feitos com  muitas rendas, em cores claras, com transparências. “Usamos muitos tons de azul e hortênsia para a Constância. Queremos que ela transmita um ar de pureza, quase angelical. Estamos trabalhando com metáforas sobre cor”, revela Beth.

Constança (Patricia Pillar) tem figurino leve, com rendas e cores claras.

A jovem Laura (Marjorie Estiano) é uma moça de atitudes modernas e seu figurino acompanha isso. “Ela usa casacos em tons mais escuros, coisas que uma moça daquela época jamais usaria”, diz Beth.

Laura (Marjorie Estiano) é moderna, não usa rendas e muitas camadas de roupas.

Para o elenco do núcleo pobre, a equipe do figurino trabalhou  bem as roupas para que as peças carregassem  informações, parecessem gastas, velhas, muito usadas. Para isso é necessário um tinturamento especial, um envelhecimento e um desgaste. As mulheres dessa classe social ousavam mais nos decotes, suas roupas eram como panos amarrados ao corpo, recosturados, emendados. Nos pés, dificilmente usavam sapatos.

Turbante na cabeça e pés descalços: herança africana

Roupas com aspecto desgastado, com decotes, em destaque no núcleo pobre

Mais sobre o núcleo central de Lado a Lado

De origem humilde, filha de Afonso (Milton Gonçalves), um ex-escravo, Isabel trabalha desde os 14 anos como empregada doméstica, é feliz, mas quer muito mais da vida. Prova disso é que sabe falar francês fluentemente. Sensual e dona de um gingado único, Isabel acompanha de perto o nascimento do samba no Rio de Janeiro. Noiva de Zé Maria (Lázaro Ramos) e completamente apaixonada pelo capoeirista, a bela mulata se angustia quando ele se atrasa para a cerimônia do casamento deles. E é justamente na sacristia de uma tradicional igreja carioca que os destinos de Isabel e Laura se cruzam.

Enquanto a empregada doméstica está ali angustiada por conta do atraso do homem que ama, Laura adoraria que seu noivo, Edgar (Thiago Fragoso), não aparecesse, já que não se conforma com o casamento arranjado pela sua família. Professora, amante das artes e dos livros, a jovem sonha com o direito de se casar por amor e de trabalhar fora, coisas jamais aceitas por sua mãe, Constância (Patrícia Pillar), ex-baronesa que vê na união da filha com o Edgard a possibilidade de voltar aos velhos tempos de luxo e glamour, já que o seu marido, Dr. Assunção (Werner Schünemann), perdeu muito dinheiro com a chegada da República. 

Lado a Lado, Looks

About the author

Jornalista, com mais de 15 anos de experiência em moda, tenho paixão por novelas e por televisão desde criança. Não foi por acaso que iniciei minha vida profissional no jornalismo como produtora de hardnews na TVCOM. E, depois de quase dez anos como editora-chefe na UseFashion, veio a ideia de criar um site sobre moda de novela, que abordasse figurino, make, cabelo, beleza, de um jeito inédito - reunindo em um só lugar os hits da telinha com informação aprimorada. Amo ir atrás das marcas, dos designers, de quem assina e cria os verdadeiros sucessos em vendas das novelas. E, pode confiar: quando aquele esmalte, aquela bolsa, aquele brinco lindo aparecer na telinha, o Novela Fashion Week vai mostrar e contar tudo sobre eles.
No Responses to “Lado a Lado: Peças envelhecidas convivem com as rendas, chapéus e figurino exuberante da aristrocracia”

Leave a Reply